Momento mensagem empresarial
  • Manoel Lins de Oliveira Neto

  • Graduado em Licenciatura Plena em Geografia, pós graduado em Gestão de Varejo e acadêmico em Administração de Empresas, atua na área de assessoria e consultoria empresarial. Palestrante e Radialista, é autor do livro Mensagem Empresarial - Histórias de Empreendedores contadas no Rádio. Apresenta o Programa mensagem Empresarial toda sexta feira ao meio dia na Rádio Oeste da Paraiba. É Agente de Validação Presencial na emissão de Certificado Digital na CDL de Cajazeiras e Agente de Desenvolvimento na implementação da Lei Geral das Micros e Pequenas empresas de Cajazeiras. --

Postado em: 11/11/2013 08:29 | Contato: manoelnetoadm@gmail.com
  • Inflação em alta não discrimina classe social
  • A empregada doméstica Marli Venceslau da Silva, 37, abandonou o recém-adquirido hábito de viajar de avião para visitar a família em Pernambuco, vai tirar a filha de seis anos da escola particular e acaba de renegociar uma dívida no cartão de crédito.

    "A passagem está um absurdo. Não tem jeito, a viagem é demorada, mas vou voltar para o busão", diz ela, que vive em São Paulo.

    A história de Marli é parecida com a de um número crescente de famílias brasileiras que têm feito ajuste orçamentário para enfrentar a alta de preços e o menor crescimento, em um contexto de maior endividamento.

    Dados da FecomercioSP obtidos com exclusividade pela Folha mostram que a inflação está alta para todas as classes sociais. Nos 12 meses encerrados em setembro, o custo de vida em São Paulo aumentou entre 5,5% e 5,65% para cinco faixas de renda.

    A tendência é explicada por uma alta disseminada de preços. Nenhuma das nove categorias de bens e serviços pesquisadas para as cinco classes sociais teve deflação em setembro. "O preço de tudo tem subido para todo mundo", afirma Júlia Ximenes, assessora econômica da Fecomercio.

    Embora a inflação esteja igualmente elevada para todos, os consumidores de renda menor têm menos sobra orçamentária e são os mais afetados. "Os mais pobres têm menos defesas contra a inflação, como aplicações financeiras", diz André Braz, economista da FGV-Rio.

      Editoria de Arte/Folhapress  

    RENEGOCIAÇÃO

    Para se proteger do contexto econômico mais adverso, os brasileiros cortam gastos e renegociam dívidas.

    Estatísticas mostram que as viagens de avião, por exemplo, perderam fôlego, enquanto a busca por passagens de ônibus aumentou.

    Outra saída para reequilibrar o orçamento tem sido a renegociação de dívidas contraídas nos anos de bonança.

    O volume de financiamentos a pessoas físicas que foram renegociados aumentou 42% entre dezembro de 2011 e setembro passado.

    Esse crescimento é mais do que o dobro da expansão do total de empréstimos a pessoas físicas no período (16%).

    As renegociações foram acompanhadas por uma significativa melhora nas condições oferecidas pelos bancos para evitar calotes.

    Os juros médios cobrados em operações de renegociação de financiamentos despencaram de 50,5% ano ano em dezembro de 2011 para 37% em setembro passado.

    Com isso, a taxa é hoje menos da metade que os 82,1% cobrados no crédito pessoal não consignado. O prazo médio em dívidas renegociadas saltou de 27 para 34 meses.

    "Os bancos têm interesse em renegociar. Para eles, essa saída é melhor do que ter de registrar o prejuízo em caso de calote", afirma Luis Miguel Santacreu, analista da Austin Ratings.

    Mesmo com condições mais favoráveis, o nível de calote nos empréstimos renegociadas é alto e aumentou desde o início de 2012 -na contramão do ocorrido com outras categorias de crédito.

    A inadimplência no crédito a pessoas físicas renegociado era de 21,6% em setembro contra uma média geral de 7%.

    Folha de São Paulo

  • Endividamento das famílias sobe e atinge marca de 45%, novo recorde
  • FMI reduz crescimento potencial do Brasil para 3,5%
  • 47% dos brasileiros compram produto e nunca usam, diz estudo
  • Alta dos juros aumenta risco de entrar 2014 no vermelho