Esporte e Lazer
  • Prof. Reudesman Lopes

  • Graduado em Licenciatura Plena em Educação Física. Professor da UFCG - Escola Técnica de Saúde de Cajazeiras. Presidente da Associação dos Professores de Educação Física de Cajzeiras. Comentarista e colunista esportivo.

Postado em: 26/12/2013 17:20 | Contato: reudesman@diariodaoeste.com.br
  • A Frente Nacional dos Torcedores
  • Nota da Frente Nacional dos Torcedores em veículos de comunicação de todo o país

     

    A Frente Nacional dos Torcedores (FNT), movimento que luta pelos direitos dos torcedores e por um "futebol justo, democrático e popular", divulgou nota oficial cobrando medidas do Ministério dos Esportes e a CBF para acabar com casos de violência nos estádios. Mas também lamentou a confusão na Arena Joinville e a atitude das torcidas organizadas de Atlético-PR e Vasco. A nota ainda critica o diretor do Departamento de Defesa do Torcedor do Ministério do Esporte, Paulo Castilho, e cobra mais diálogo entre as entidades e as torcidas para evitar casos como o do último domingo, em Joinville. Mesmo composta por torcedores, a FNT também cobrou punição para os envolvidos na confusão. A Frente Nacional dos Torcedores, movimento que busca um futebol justo, democrático e popular, lamenta profundamente as cenas protagonizadas por torcedores do Vasco e do Atlético-PR no jogo deste último domingo, então válido pela rodada de encerramento do Campeonato Brasileiro de 2013.

    Nosso movimento percebe a complexidade para resolver o problema da violência no futebol e, infelizmente, há muito vem denunciando a omissão dos governantes, da CBF e dos dirigentes dos clubes para solucionar o conflito. Também faz tempo que denunciamos a incompetência e burrice do Ministério Público e da Polícia Militar de todos os estados brasileiros, com algumas poucas exceções. 

    Contudo, é inadmissível, inaceitável e imperdoável que duas torcidas tão fortes e tão grandiosas como as dos clubes envolvidos protagonizem episódios de tamanho horror social. Sabe-se bem a capacidade de articulação política das duas maiores torcidas organizadas, tanto do Vasco quanto do Atlético-PR, e justamente, por isso, tem-se ainda mais vexatório o acontecimento. 

    E SIM, NÓS APOIAMOS A PUNIÇÃO DE TODOS OS TORCEDORES ENVOLVIDOS EM QUALQUER BRIGA! Torcer é festa, não é violência! De qualquer modo, a Frente Nacional dos Torcedores segue esperando uma definição séria do Ministério dos Esportes e da CBF para começar a resolver o problema. 

    O Ministério, lamentavelmente, continua rebaixando a importância do tema e colocando tamanha problemática nas mãos de um promotor com notória ineficiência e inaptidão para o cargo. Inclusive, o que se tem visto é o avanço da violência e o fim da festa popular nos estádios. Tudo isso diante da flagrante incompetência dos funcionários públicos destacados para o tema. Urge trocar o senhor Paulo Castilho da pasta de segurança dos torcedores! Urge dialogar com as torcidas verdadeiramente, assim como urge debater exaustivamente para mudar a política da segurança dos estádios! Urge ainda reformar o Estatuto do Torcedor! Por outro lado, a omissão da CBF, diante do perplexo cenário de um jogo decisivo sem devida segurança somente reforça a tese de que essa instituição é meramente lucrativa a serviço da máfia da bola, possuindo enorme desleixo com as condições dos estádios brasileiros. 

    Marin consegue realizar o sorteio da Copa do Mundo na Costa do Sauípe, mas não consegue garantir um simples jogo do Campeonato Brasileiro com a mínima segurança no estádio (mesmo tratando-se de um duelo de alto risco com histórico de incidentes violentos entre as torcidas). Talvez os mais de R$ 6 milhões oriundos dos cofres públicos para a realização do sorteio da Copa 2014 fossem suficientes para garantir um eficaz plano nacional de segurança dos estádios. Mas, quem deseja resolver de verdade o problema da violência nos estádios? Por fim, conclamamos a todos os torcedores brasileiros para um 2014 de paz e luta social nos estádios. Pois a nossa luta é contra a corrupção da máfia da bola; a nossa luta é por ingressos baratos e festa popular nos estádios; a nossa luta é contra a atual direção da CBF; a nossa luta é contra a imbecilidade generalizada do atual Ministério dos Esportes; a nossa luta é por um outro futebol, que é possível. A nossa luta não é contra o torcedor do time rival! Ele deve ser nosso companheiro na luta por um futebol melhor. Caso você não entenda isso, a Justiça acabará fazendo com que você entenda. 

    Não aceitamos soluções imediatistas e meramente midiáticas com a questão da violência no futebol, todavia repudiamos a contínua ignorância de violentos torcedores. Futebol não é violência. Torcer é festa. Vamos lutar pela volta da festa nos estádios, vamos dar um basta nas brigas. Pois violência nos estádios é o que a máfia da bola mais deseja para intensificar o nefasto processo de elitização do futebol.

    BOLA DENTRO
    Para a festa realizada pelo Atlético Cajazeirense de Desportos através dos seus atuais dirigentes, seus voluntários e torcedores, quando da apresentação da comissão técnica e jogadores para a temporada 2014. Foi de arrepiar. NOTA 10!

    BOLA FORA
    Para as cenas de guerra acontecida em Santa Catarina entre atleticanos do Paraná e vascaínos. Pior disso tudo é que todas, eu disse todas, as nossas autoridades não estão nem ai para a violência nos estádios de futebol no Brasil. Como país da Copa somos uma vergonha e merecemos a NOTA 0!

     

  • 2013, o ano do futebol cajazeirense
  • João de Deus e do Atlético: “Não deixe o Atlético morrer”
  • José Gonçalves Moreira, uma lenda viva do futebol cajazeirense
  • Cajazeiras não é apenas “bola”